domingo, 30 de março de 2008

A historias são sempre as mesmas


Um filme, uma novela, um desenho animado, um conto na mesa de um bar, sempre as mesmas coisas. Acontecimentos da vida, coisas inacreditáveis que levam a um mesmo lugar, um final onde alguém se deu bem, seja na felicidade, na luxuria, ou apenas em uma casinha com sua família no meio do nada.
E durante essa estória acontecem os problemas, que aos poucos são solucionados, as perguntas que aos poucos estão sendo respondidas, como em uma linha cronológica de um roteiro cinematográfico.

Os integrantes da estória são apresentados, geralmente, o vilão o mocinho e a garota bela que tem que ser salva, [ lembrando que a beleza está em nossos olhos, em nosso sentimento ao se deparar com algo que nos afeta, seja uma pintura cubista, ou uma expressionista, um beijo apaixonado, uma rosa, uma brincadeira de pai e filho, a beleza está em nosso interior, e cada pessoa sente ela de uma forma....]

Então depois disso acontecem os problemas, alguém indo contra tudo o que é acreditado pela maioria, como no filme admirável mundo novo, onde a “civilização” nascia em “latas” e era pré-designada em suas funções, alfas, deltas, gamas.... e cada um passava por um condicionamento, para desempenhar sua função na sociedade, e quando algo saia de controle, condicinava-se novamente a unidade que falhou, até aparecer um “selvagem”, criatura concebida normalmente, assim como nascemos...

Só que em toda estória um motivo tem que ligar os dois lados, o bem e o mal, a felicidade e a tristeza, os paradoxos tem que se entrelaçar, e é ai que aparece um filho de um filho entre um civilizado e um selvagem, e adivinha quem seria o unificador e mocinho da história.

E esse mocinho tem a função de mostrar aos dominadores da historia, que o que eles entendem pelo correto é errado, ser predestinado a algo, ou controlado, opa... controle, é isso realmente também é necessário em qualquer enredo, alguém tem que controlar a situação. Ai o mocinho mostra a todos que felicidade é ao contrário do que eles imaginam, que a felicidade não é apenas ganhar dinheiro pra comprar as coisas, que felicidade não está ligada em servir ao controlador da situação, que tudo aquilo que ele acha certo, porque não aprendeu a pensar por si só, está errado, não porque alguém diz que a outra forma é a correta, e sim porque a verdade tem que ser pensado por cada individuo, a verdade pra mim é a que eu sinto, a que eu acho que é verdade.

Como um louco trancafiado em uma clinica psiquiátrica, o mundo dele é verdadeiro, o mundo dele é perfeito para ele, e tudo porque ele vive cada momento e aproveita sua fantasia, detalhe que pra mim o mundo dele é uma fantasia e o que ele diria do meu se fosse ouvido?

Nas historias pessoas são vistas de duas maneiras, ou temos que segui-las porque é um líder, ou não é seguida porque foge do que a maioria acha certa.

E depois de passar por problemas resolvidos, perguntas respondidas é a hora do final tão esperado, quem nunca assistiu um filme só pra ver o final? Pois é a maioria das pessoas, e esquecem de todo e enredo, pergunte a elas o que acontece no meio do filme, em qual parte o bem e o mal começam a caminhar juntos e a brigar. Ou pergunte do que fala a historia do filme.... a maioria das pessoas não vão falar que o filme trata de emoção, de felicidade, de ajuda ao próximo, e sim vão contar a historia do mocinho.

As historias são sempre as mesmas, o que muda é a forma de conta-las e se por acaso assistir um filme e se identificar-se com ele, não se preocupe, eles contam a sua vida, a minha vida a nossas vidas, seja um filme de ação, terror, ou romance.

Observe por trás de todas as cenas o que o filme quer contar, saiba identificar cada momento de sua vida, entre no filme faça parte dele do filme da historia ou de qualquer coisa, um livro, um anuncio nossa vida é um conto, que termina sempre no mesmo local e começa sempre da mesma forma. O que muda são as formas de ser contadas, mas preste atenção.. toda vida nasce, cresce se reproduz e morre. E nesse caminho vai acontecendo problemas que entrelaçam as situações para que ela seja de fato vivida.

O roteiro de nossa vida é como de um filme besta, alguém tenta nos controlar, e em algum momento nos temos o controle, e começamos a pensar por nós mesmos.
Algo acontece e a reprodução é feita, seja ela planejada ou apenas acidentalmente, ai vamos envelhecendo e alguma coisa tem que acontecer para morrer, uma doença ou um acidente. Raras vezes isso é interrompido, e se é interrompido porque a regra tem uma exceção.

terça-feira, 25 de março de 2008

O mundo já estava acontecendo em vários filmes, ficções agora chegam a realidade.


Se comunicar com alguém? Deixar recados? Escrita.
Diminuir o trabalho dos monges que escreviam livro por livro? Prensa.
Conversar com pessoas por voz mesmo estando distante? Telefone.
Levar noticia a qualquer parte? Jornal.

Qual o impacto que se teve ao se deparar com isso? Bruxaria? Coisa do inferno? Manifestadores de forças ocultas? O que será que acontecia quando algo novo surgia?

Em tempos avançados, a ciência briga com a religião, tudo para saber quando exatamente começa a vida, e se de fato pode ser utilizado os embriões esquecidos que talvez nunca apareça alguém para de fato eles se tornarem uma vida. Mas o avanço parece desde sempre aterrorizar a igreja, será que aos poucos está sendo desvendado o segredo da vida? São perguntas eternas....

Agora partimos para geração dos mp3, onde vinil é raridade, dvd onde videocassete é algo de se perguntar “que isso pai?”. A geração da internet que não conseguem encontrar selo, e nem sabe como mandar uma carta.
Onde carta significa contas chegando ou propagandas na caixinha do correio. Uma geração acostumada com spam, redes sociais e blogs.

O que elas falam dos avanços tecnológicos? Celulares com maquina fotográfica, celulares com vídeo chamada, internet e tudo que surge do dia pra noite para eles, e com a velocidade de uma conexão de banda larga.

Será que os carros que flutuam por ai será algo de desespero? Coisa dos infernos e de bruxaria ou apenas estarão falando “até que enfim um carro assim”.

As gerações mudam e o pensamento também, talvez por isso que as idéias batem de frente. A ciência tentando da oportunidade de cura a pessoas delimitadas a uma cadeira de rodas, enquanto do outro lado uma religião onde querem que as pessoas aceitem seu destino.

Na vida o que é pra ser será, e se o homem chegou a capacidade de estudar e conseguir devolver a vida de uma família, de uma mãe que não consegue levar seus filhos para escola porque o caminho existem meio-fio alto, calçadas ruins e esburacadas, com certeza é porque chegou a hora em que a humanidade está conseguindo se auto ajudar e deixar o criador um pouco de folga, afinal não é mais como antigamente com alguns poucos milhões de pessoas para se preocupar, agora são milhares de milhões de pessoas, e algumas com a capacidade de intervir para a qualidade de vida para as outras.

Se na vida o que é para acontece de fato acontece, então chegou a hora de saber que esse é destino, e se não acontecer no Brasil vai acontecer em qualquer outro lugar do mundo, e mais uma vez ficaremos para trás, como no avião, no rádio e tantas outras criações que até hoje funcionam mas que foi de mérito de outros, e não adianta ter santos brasileiros nascidos em outros lugares do mundo.

Temos que se preocupar com violência, crianças penduradas pelos pulsos, pedofilia. E aceitar que a vida pode ser melhor, desde que aceitamos que um embrião esquecido permanecerá esquecido, e que uma forma de dar ele um verdadeiro valor é participando das pesquisas para uma mãe poder levar novamente seu filho a escola, conseguindo desviar dos buracos nas calçadas e subir o meio-fio sem dificuldade.

Se comunicar com alguém? Deixar recados? Orkut.
Diminuir o trabalho dos monges que escreviam livro por livro? Impressoras.
Conversar com pessoas por voz mesmo estando distante? Msn, Skype....
Levar noticia a qualquer parte? Internet.

A vida mudo as coisas também, mas as ocasiões sempre serão as mesmas.....

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

G-google para dominar o mundo


O caminho para o poder é visado por muitos seres humanos, isso não é uma coisa nova. Muitos autores escreveram a anos atrás, é estranho acreditar em uma coisa assim, mas essas coisas foram escritas no século passado, e são tão atuais e serão sempre atuais em nossas vidas. A sede pelo poder, de dominar o mundo é escrita por autores como George Orwell em seu livro 1984, onde um governo modifica a verdade conforme suas necessidades, fabrica o que é certo ou errado para a humanidade, e os individuos são monitorados pelo Grande Irmão (Big Brother), sim do mesmo jeito que acontece no atual programa de tv, que foi totalmente baseado na ficção, antes já previsto por Walter Benjamin, em parte da “A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica”, quando fala que os atores chegarão au ápice quando pararem de contracenar, e sim serem eles mesmos diante de um público. Nada mais do que um Big Brother atual, e essa citação sim tem a ver com aquele programa...

Em “1984”, o romance de Orwell, o poder é concentrado nas mãos de poucos, que dominam um mundo, ditando como a vida deve ser seguida, aos olhos do Grande Irmão (Big Brother), eles são classificados como pessoas boas e más. As más pessoas, são as que tem pensamentos diferentes das impostas pelo governo, as que cometem a crimidéia, o crime de idéia em novalingua. São totalmente controladas, seus passos são registrados suas conversas são gravadas, nada foge dos olhos do Grande Irmão.

Além do famoso programa de Tv, outras coisas foram baseadas nesses caminhos pela busca do poder e do dominio do mundo, como o filme, V de vingança, Minority Report, Djavu, entre tantos outros tiítulos. A igreja ve esse dominio como a besta que virá para separar o mundo, onde os bonzinhos aos olhos de Deus vão para o céu, e os que escolheram o livre arbitrio e foi para o lado negro vai para o inferno, simplesmente porque não andaram na linha.

Em “1984” o mundo era controlado pelo Big Brother, e na atualidade o que controla, ou tem o poder de controlar as necessidades da humanidade? Será que os dados gravados na internet poderão um dia ir contra nós? As buscas efetuadas, as necessidades ali gravadas, as intenções deixando rastros e a forma de ser bem visto sempre será controlado por alguma coisa.

Então entraremos agora na discusão. Será o Google um mecanismo que um dia vai controlar nossas vidas? Se o controle será total é de se imaginar, o fato é que em partes, e em muitas partes ele já controla. Seus serviços são gratuitos, em contrapartida colocamos nossos dados e deixamos a base de intenções ali para serem analisadas, a base de dados de intenções é comenentada por John Battelle em seu livro “A busca”.

Vamos categorizar algumas coisas nesse momento. Chamaremos os WebSites de “e-pessoas”, a internet como “e-mundo” e outras categorias serão criadas no decorrer do pensamento.

O Google, uma empresa que nasce de um trabalho academico, não foi a primeira ferramenta de busca, mas revolucionou o método de como as coisas deveriam funcionar nas internet ou no nosso “e-mundo” ( Internet).

Antes essas “e-pessoas” (Web-sites) eram categorizadas de forma diferente, pelos seus endereços, e o grande problema era quando uma pessoa do mundo real as procuravam para fazer uma consulta, elas apareceriam listadas, com critérios de forma que um site não era melhor que o outro, era feito de ordem nominal. Uma “e-pessoa” (Web-site), não era melhor que ninguém. Não era até o momento da criação do pageRank, um algoritmo que classifica de forma ordinal as “e-pessoas” (web site). Passando nesse momento, a serem classificados em os que andam na linham ou os que anda fora da linha, e com certeza eles não vão querer andar fora da linha.

E não é só essa classificação das buscas que o Google controla o “e-mundo” (Internet), seus serviços possuem informações sobre os ganhos de um site (Google Adsense), sobre sua disponibilidade de investir dinheiro (Google Adwords), o Google criou o mundo dentro do computador (Google Earth), o Universo pode ser visitado , a lua (Google Moon). O Google controla a vida das e-pessoas no e-mundo, alem de consegui informações sobre as pessoas reais do mundo real. Dominando a industria de busca, ele diz qual é melhor resposta para aquela sua pergunta em sua caixinha de busca, aquela que fica em seu site simples com cores primárias de sua logo. Jacob Nielsen fica maravilhado ao ver um site simples, objetivo e que deu muito certo.

Em uma busca, o Google é o dono da verdade no juizo final, separando que fica no céu, as três primeiras páginas de seus resultados, essas páginas são as mais visitadas em uma busca. Algumas ficam entre o céu e o inferno, sem um lugar definido, que seria da quarta até a sexta página, poucas pessoas chegam até essa página, geralmente elas mudam as palavras chaves se não encontram o que procuram até essas páginas, e são a minoria que chegam até elas, e o inferno, da décima página até o final das milhões de respostas.

E para não serem ignorados pelo sistema, ou pelo governo Google do e-mundo, pessoas reais fazem com que as as e-pessoas ande na linham para não serem ignoradas pelo governo, e não cair no inferno do e-mundo.

Em pararelo a isso algum sistema, tenta bular essas regras tentando ficar do lado contrário do G-G (Governo Google), como as empresas que, no início reclamaram do google, como o museu que relcamou quando o google frequentemente pedia a e-pessoa para indexar suas páginas, os administradores do museu analizaram tal atitude como uma forma de roubar as imagens e os textos ali concentrados. Ou a empresa de telefonia AT&T que reclama que o Google utilizava de sua banda larga de forma gratuita para começar moldar seu G-G.

A Google não foi de longe a primeira ferramenta de busca, mas moldou de como as coisas deveriam ser feitas. No inicio seus fundadores até tentaram vender seu sistema, mas ninguém acreditou, ou não confiou em sua prosperidade. E agora ele deu certo, passando por cima de todos.

Acreditar que uma sistema pode fazer uma base de dados de inteções das pessoas que em troca de serviços gratuitos, disponibilizam seus desejos e necessidades, suas duvidas e tudo aquilo que procuram. É simplesmente emocionante.

Se na ficção “1984”, o governo controlava tudo e qualquer coisa que queria, produzia a verdade conforme suas necessidades, o Google vem tecendo o mesmo caminho do Big Brother. Tendo acesso as conversas das pessoas pelos e-mails, sabendo quantas pessoas e de que lugar do mundo visitaram as “e-pessoas”. O Goolge está dominando o mundo, e quem tentar se opor, vai acontecer o que aconteceu com oWinston Smith , sofrer de tal modo a começar a amar o G-G.

Seremos de fato controlados pelo mundo virtual? Seguindo suas linhas de pesamento? O que está acontecendo é que seremos dominados pelo mundo real, com as informações que deixamos em nossa vida do e-mundo.

Pensar que o G-G sabe quais comunidades fazemos parte é pensar muito além. Nem percebemos que no Orkut, deixamos brecha para investidores atentos nos vender diversos produtos, basta vizualizar nossas comunidades e saber, que eu gosto de motos e computadores, que fulana gosta de brinco e de toalhas cor-de-rosa, ou então que eu tenho tatuagem.

E o que acontece com as pessoas se elas não estarem nesse mundo? Com certeza serão analizadas como alguém errado, fora da linha, um ser de outro planeta. É necessário ter algumas dessas ferramentas. Mas até onde elas são confiáveis? Colocar todos esses dados sobre nossa vida é simplesmente nos deixar ser controlados pelo sistema.

Nesse momento é de se pensar que algo assim foi criado, talvez sem intenções inicias, de controlar a vida das pessoas no mundo real. Basta verificar que com blog (Blogger), é possivel saber o que as pessoas pensam sobre determinados assuntos, e que outras pessoas pensam sobre aquele assunto disponibilizado daquela forma por um usuário que acredita, que seus dados são seguramente guardados em milhões e milhões de computadores.

Nossa vida é controlada como em “1984”, só que não se damos conta que isso está acontecendo, porque ainda nossos dados não foram usados para determinar se somos pessoas boas ou más para o “Controle”. A partir do momento que seremos apenas marionetes do sistema, começaremos a reclamar, ou apenas anda na linha para não nos prejudicarmos e não passar por atitudes que façam nosso passado se apagar da história e ser moldado conforme as necessidades do “Controle”, como oWinston Smith fazia, mudando a verdade para o Big Brother.

Comentar em blogs




Isso desde o inicio da vida dos blogueiros e buscado, todos querem vários comentários em seus blogs. Para o blogueiro que tem vários comentários em um post, com certeza é satisfatório, e se tem muita visita e poucos comentários pode ser frustrante. Já me decepcionei algumas vezes em ver que meu blog recebia X visitas e Y comentários e Y não chegava a metade da metade talvez da metade de X.

Então pensei, pô raramente eu comento em blog, vo começa a comentar, e sai lendo blogs e comentando, em um dia acredito que tenha sid uns 30 blogs, mas desses 30 apenas 5 eu visito com freqüência, porque? Simples, quando eu comento lá o autor do blog responde eu comentário, seja via e-mail ou com outro comentário em meu blog.

Hoje li no blog palavra aberta essa questão, e resolvi escrever sobre o assunto. Com certeza os comentários servem para ter um feedback do que está acontecendo no blog, porem vai alem disso, o texto pode ser etendido de maneira diferente após ler oq eu o pessoal acha do texto, pode acontecer conversas no meio de comentários, criticas construtivas e isso com certeza ajuda o blog a avançar em sua qualidade.

Comentar e ser respondido com certeza trás mais credibilidade para os blogs. Mais visitas, e mais indicações para uma boa leitura.

sábado, 22 de setembro de 2007

Internet afasta ou aproxima as pessoas?

Isso é muito relativo, então veremos pelos dois lados que estou imaginando.
Então veremos essas duas situações, de uma lado a internet unindo as pessoas e do outro lado a internet separando as pessoas.

A internet afasta as pessoas fisicamente, já que não precisamos ir até elas para conversar, basta conectar que as chances da pessoa que queremos conversar está logada é grande. Já ouvi algumas vezes pessoas conversarem em locais públicos, e quando chega a hora de ir embora uma delas diz “qualquer coisa te deixo recado no orkut”, “conecta o MSN que agente conversa mais”, “me manda um e-mail”.

Existem também as pessoas que preferem falar por meio da Internet com seus amigos, talvez por conseguir se expressa melhor com texto, por ter vergonha. Por algum motivo essas pessoas preferem conversar com alguém que não está ali fisicamente.

Hoje existem milhões de mecanismo de relacionamento, onde as pessoas podem se comunicar a distancia, alguns acham que isso separa as pessoas pelo fato de cada vez mais elas estarem longe e mesmo assim mantendo contato.

Ao mesmo tempo que a internet afastas as pessoas, a internet aproxima as pessoas, você deve está se perguntando como...

Ontem presenciei mais um fato curioso de uma família dividida pela distancia, parte dela no Brasil e a outra parte no Japão, e como unir essas pessoas por um momento? É a conversa era mais uma vez pelo MSN, e com a web can ligada. Essa é uma das formas de união das pessoas pela internet.

Os mecanismos de relacionamento, também, de alguma forma une as pessoas que se separaram por algum motivo, eles se encontram depois de anos separados. Esse encontro pode ser em comunidades, lista de contato e tantas outras formas.

E esses encontros as vezes resultam e encontro físicos também, nem que seja para sair a noite e curti as baladas.

A internet é ampla, ela serve para unir, separar, e viver de uma forma mais cômoda e cada vez com mais duvidas se estavos vivendo em uma era virtual ou real. O que importa é que não podemos fugir disso, sempre estaremos conectados de alguma forma, seja por um computador pessoal, pelo celular, por algum móbile.

O futuro da internet é ficar cada vez mais presente em nossas vidas, e só saberemos que ela está em nossas vida quando por algum motivo ela fica inacessível por alguns minutos, assim como é a luz elétrica, que lembramos que somo dependentes apenas quando ela falta.

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Antes agora e depois


Manhã de chuva e a tarde aquele solzinho, me lembrei do tempo não muito passado. Quando isso acontecia, era certeza que um futebolzinho no asfalto com trave de tijolo, ou bets com lada de óleo acontecia. Mas hoje não é isso que estou fazendo, muita coisa mudou desde o tempo que ainda acontecia isso. Agora a internet está mudando a vida das pessoas, não só ela mas muitas outras coisas.

Estava conversando com uma amiga que mora longe, e discutindo exatamente essa questão, o que a internet mudou na nossas vidas. Bom na vida dela mudou que ela tem acesso mais rápido as informações, e pode falar com os amigos e economizar uma grana, porque se fosse pelo telefone a conta ia ficar alta no final do mês.

Ela também escrevia muito mais cartas do que hoje, sim ela ainda escreve cartas. Alguns de seus amigos não tem acesso a internet.

Perguntei a ela se ela lembrava de um mundo sem internet, e adivinha a resposta? Ela não lembra... e completou ainda falando que só ficara sem essa maravilha se por algum motivo não tiver as “condições” para usar.

É isso me fez passar daquele pensamento do passado para um futuro que está se projetando. Será que meu filho vai saber o que é um mundo sem estar conectado?
Internet no computador pessoal, celular, quiosque da esquina...
em todos os lugares que algum tempo atrás, enquanto eu jogava futebol no asfalto depois da chuva, alguém estava criando uma coisa que hoje faz parte de um mundo conectado.

terça-feira, 18 de setembro de 2007

Tropa de elite, um acidente ou marketing viral?

Tropa de elite, um filme brasileiro que está fazendo o maior sucesso, e ainda nem se quer saiu nas telas de cinemas. O trailer oficial deixa bem claro “Ainda inédito nos cinemas”, bom o filme está diferente do que foi “acidentalmente” colocado para download. Estava eu por aqui conversando com o Renato Caron, e por acaso na nossas mentes surgiu a seguinte opinião, a qual discutimos por alguns minutos...


Compre o livro Elite da tropa


Acidentalmente o filme cai na internet, milhões de brasileiros baixam ou compram nas esquinas, o filme vira repercussão nacional, sai em sites, blogs, jornais, revistas e em vários lugares a maioria do Brasil fica sabendo do filme, a maioria porque o Renato não sabia até eu falar.

Li no Web Insider , que isso pode ter sido bom para o filme, que com toda essa publicidade do boca-a-boca, o filme se promoveria sem precisar de tanta publicidade paga. Será que por acaso, isso não foi planejado? Assim, como uma forma de divulgar o filme, deixar com que seja a sensação do momento, o mais comentado, o mais lembrado o mais tudo quer que seja? É não sei, foi apenas uma coisa que passou por alguns instantes na cabeça, em uma conversa por MSN.

E agora sai na Folha de São Paulo que o filme mais comentado por acaso vai virar um seriado de TV,

Está parecendo um marketing viral.
É se foi estratégia ou não, fica difícil de saber, mas que é sucesso nacional a isso, com certeza é.

Assista o trailer !!!


A internet muda a vida das pessoas, e agora mudou o rumo de um fime brasileiro !!!!!